Aracaju, 23 de Outubro de 2018

Coluna

Post c647c930266f0c5a

Viajando com Acácia Trindade

Por Acácia Trindade

Acácia Trindade é jornalista há 30 anos. Repórter , editora de Turismo e foi diretora do Jornal da Cidade e de Comunicação do Tribunal de Contas de Sergipe. Atualmente está chefiando a Ouvidoria da Corte de Contas. Mantém uma página sobre Turismo no Facebook - Viajando com Acácia Trindade. Agora passa a fazer parte do time do Conecte Mulher

 

25/07/2018
Sergipe tem potencial para o Espeleoturismo
Article cover big 7cb7ae71023bbdd3

 

O incidente em uma caverna na Tailândia, que envolveu 12 adolescentes e um treinador, me chamou a atenção sobre a situação das cavernas em Sergipe. Fui buscar informações com o pesquisador Elias Silva, coordenador da ONG Centro da Terra, Grupo Espeleológico de Sergipe. Ele me informou que no Estado já foram cadastradas 140 cavernas, sendo que apenas duas com trechos submersos, uma em Laranjeiras e outra em Simão Dias.


Estas cavernas são de difícil acesso, não representando risco de serem visitadas por moradores destes municípios. Apenas equipes de pesquisadores estiveram nestes locais realizando estudos espeleológicos. Mesmo descartando riscos nas cavernas de Sergipe,  a ONG está realizando o Plano de Manejo Espeleológico, proporcionando a capacitação de 25 socorristas do Corpo de Bombeiros.
 

O tenente coronel Hector Silva Monteiro disse que o objetivo do curso foi prospectar, conhecer as cavernas visando prevenir e resgatar pessoas em caso de incidentes. Ele disse que hoje as cavernas só são visitadas por pesquisadores, não tendo sido registrado casos de incidentes, mas caso o Estado venha investir no espeleoturismo, os socorristas dos Bombeiros já estão qualificados para dar o suporte necessário.


 

Vencida minha curiosidade sobre a prevenção e resgate em cavernas de Sergipe, o que mais me chamou a atenção, é o grande potencial que o Estado possui para a exploração de cavernas visando atrair turistas deste segmento. O espeleoturismo é muito forte em outros países, conforme o coordenador da ONG Centro da Terra, Elias Silva, mas no Brasil ainda é incipiente. Em Sergipe, ainda não existe.
 

Elias Silva citou que a Toca da Raposa, em Simão Dias, a Gruta da Pedra Furada, em Laranjeiras e a Gruta da Miaba, em São Domingos, são alguns exemplos de cavernas que poderiam compor um roteiro focado no espeleoturismo em Sergipe.  O pesquisador adiantou que não há visitação turística significativa em cavernas no Estado, sendo tal atividade possível apenas em uma minoria, pois a maioria apresenta características que limitam ou mesmo impossibilitam a visitação e acesso internos.
 

¨São cavernas pequenas (entre 20 e 300 metros), com grandes concentrações de morcegos e consequentemente muito acúmulo de guano (fezes desses animais), associados a esse guano há diversos seres como insetos e aracnídeos, mesmo em algumas podem ser encontrados agentes patogênicos, como fungos¨, complementou Elias Silva. Apesar disso, ele garante que a possibilidade de um roteiro turístico com foco em algumas cavernas pré-selecionadas é algo tangível, desde que haja planejamento prévio para evitar o turismo desordenado, que gera impactos negativos para o ambiente cavernícola e de seu entorno.
 

Para que o espeleoturismo seja implementado em Sergipe, Elis Silva disse que se faz necessário a recuperação de áreas degradadas do ambiente de entorno à cavidade que exerce influência direta na manutenção de seu ecossistema, a realização de estudos para Planos de Manejo Espeleológico por profissionais qualificados de diversas áreas e a implantação de infraestrutura adequada, externa e interna, após aprovação do Plano de Manejo e Licenciamento Ambiental.


Cursos de capacitação da comunidade e de funcionários dos órgãos de turismo e meio ambiente, municipais e estaduais, campanhas de informação, sensibilização e divulgação, são alguns exemplos do que poderia ser feito para viabilizar o uso turístico de algumas cavernas e do Patrimônio Espeleológico sergipano, gerando renda e auxiliando no desenvolvimento econômico das cidades em que estão inseridas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Envie seu comentário